Notícias

Outubro Rosa: diagnóstico precoce de câncer de mama salva vidas

Formas mais eficazes para detecção são o exame clínico da mama e a mamografia

 

Outubro é o tradicionalmente o mês marcado pela campanha de prevenção do câncer de mama, reforçando a importância do diagnóstico precoce. No Brasil, esse é o tipo mais comum de câncer entre as mulheres, depois do câncer de pele não melanoma. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são 66 mil novos casos e 18 mil mortes por ano.

A doença também pode acometer os homens, portanto, é preciso fazer os exames de prevenção nas faixas etárias recomendadas.

Além do auto exame, recomenda-se anualmente a mamografia, exame que pode identificar a doença antes mesmo dela se tornar um nódulo. Este exame pode detectar lesões não palpáveis e é indicado para mulheres que tem acima de 40 anos de idade. 

"É importante pressionar para que, além da conscientização, o acesso ao exame do câncer de mama seja garantido. É importante também que os homens estejam atentos, acabando com preconceitos e colocando o autoexame na rotina masculina”, destaca Paulo Sérgio Lima, secretário de Saúde, Trabalho e Meio Ambiente do Sindicato.

 

Fatores de risco

 

Não há uma causa única para o câncer de mama. Diversos fatores estão relacionados ao desenvolvimento da doença entre as mulheres, como: envelhecimento, determinantes relacionados à vida reprodutiva da mulher, histórico familiar de câncer de mama, consumo de álcool, excesso de peso, atividade física insuficente e exposição à radiação ionizante.

 

Os principais fatores são:

Comportamentais/Ambientais

  • Obesidade e sobrepeso, após a menopausa
  • Atividade física insuficiente (menos de 150 minutos de atividade física moderada por semana)
  • Consumo de bebida alcoólica
  • Exposição frequente a radiações ionizantes (Raios-X, tomografia computadorizada, mamografia etc.)
  • História de tratamento prévio com radioterapia no tórax

Aspectos da vida reprodutiva/hormonais

  • Primeira menstruação (menarca) antes de 12 anos
  • Não ter filhos
  • Primeira gravidez após os 30 anos
  • Parar de menstruar (menopausa) após os 55 anos
  • Uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona)
  • Ter feito terapia de reposição hormonal (estrogênio-progesterona), principalmente por mais de cinco anos

Hereditários/Genéticos

  • Histórico familiar de câncer de ovário; de câncer de mama em mulheres, principalmente antes dos 50 anos; e caso de câncer de mama em homem
  • Alteração genética, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2.

A mulher que possui esses fatores genéticos tem risco elevado para câncer de mama.

 

História

 

O Outubro Rosa foi criado no início da década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure. A data é celebrada anualmente, com o objetivo de compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença; proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

O Instituto Nacional do Câncer (INCA) participa do movimento desde 2010 e promove eventos técnicos, debates e apresentações sobre o tema, assim como produz materiais e outros recursos educativos para disseminar informações sobre fatores protetores e detecção precoce do câncer de mama.

 

Para saber mais, acesse: www.inca.gov.br

 

Com informações do INCA e da Agência Senado

 

Compartilhar com:

Enviar:

Imprimir: