Notícias

Temer não renuncia. Exigimos eleições Diretas Já!

No meio dessa guerra de gangsters o país vai afundando ainda mais, e o governo golpista fatia e vende a Petrobras a preço de banana e perdoa dívidas de banqueiros e ruralistas. A reação é AGORA! Confira nota da diretoria do Sindicato sobre o momento político

Mesmo pego em flagrante cometendo o crime de obstrução da Justiça o golpista Michel Temer não renuncia para não ir direto para a prisão e afunda ainda mais o país na crise gerada por ele e seus cumplices Eduardo Cunha (já preso) e Aécio Neves (cuja irmã foi presa ontem).

No meio dessa guerra de gangsters o país vai afundando ainda mais com a queda das Bolsas de Valores, aumento do dólar, isolamento internacional, paralisação da economia e dos investimentos e, o pior de tudo, aumento do desemprego e diminuição dos salários.

Dessa forma, o governo dos patrões que tomou de assalto o poder há mais de um ano atrás, vai pelo menos conseguindo alguns dos objetivos do golpe: reduzir salários e direitos; enfraquecer os sindicatos que defendem os trabalhadores; precarizar as condições de trabalho com a terceirização sem limites; reduzir os benefícios da previdência social para aumentar a previdência complementar privada oferecida por banqueiros; diminuir os programas sociais para priorizar o pagamento dos juros da dívida e garantir que os bancos não sofrerão nem um calote.

E, o mais grave: estão fatiando a Petrobras e vendendo a preço de banana para empresas petroleiras americanas. Temer também perdoou dívidas de R$ 25 bilhões para o Banco Itaú, de R$ 10 bilhões para os ruralistas que não pagam o Funrural e de R$ 8 bilhões do Refis para empresas urbanas, de bilhões não calculados em renovação de contratos de concessão.

A nós, trabalhadores e trabalhadoras que queremos manter o mínimo de condições decentes de trabalho, de salário e aposentadoria para nós e os nossos filhos e netos, não resta outra alternativa senão, lutar, lutar e lutar. Com todas as nossas forças e convocando a todos os nossos amigos e parentes a juntar-se a nós.

Com a Greve Geral do dia 28 de Abril já conseguimos algumas vitórias: o governo amenizou algumas exigências absurdas (como trabalhar 49 anos para aposentar) e os senadores decidiram analisar com mais cuidado e mais tempo a reforma trabalhista que nos tornará semelhantes a escravos. Ainda é pouco.

Exigimos a paralisação das reformas trabalhista e previdenciária.

Exigimos a revogação da lei de terceirização sem limites.

Exigimos FORA TEMER e DIRETAS JÁ!

A Diretoria

 

Compartilhar com:

Enviar:

Imprimir: