Nota da CUT-SP sobre o pronunciamento genocida do presidente da República

Notícia

Nota da CUT-SP sobre o pronunciamento genocida do presidente da República

25/03/2020 às 15:47

Bolsonaro, de forma irresponsável, usou a rede nacional de rádio e televisão para confundir a população

A direção da CUT-SP manifesta, veementemente, total repúdio ao pronunciamento do presidente da República, proferido na noite desta terça-feira (24), demonstrando, mais uma vez, sua incapacidade de lidar com a crise sanitária provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Jair Bolsonaro, de forma irresponsável, usou a rede nacional de rádio e televisão para confundir a população. Contrariando as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e os exemplos de outras partes do mundo, ele voltou a minimizar os riscos da doença que, para ele, não passa de “uma gripezinha ou um resfriadinho” e considerar como “histeria” o fato das pessoas terem aderido ao auto isolamento social. Bolsonaro contraria, inclusive, seus ministros e técnicos do Ministério da Saúde, ao querer usar a caneta para reverter ações preventivas.

Além disso, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) calculou que 5.571 brasileiros irão morrer nas próximas duas semanas por Covid-19, segundo o The Intercept Brasil, que teve acesso ao documento. Antes de discurso, na noite de terça (24), Bolsonaro foi alertado pela Abin, mas ignorou por completo isso.

Também criticou a imprensa e atacou as medidas adotadas por autoridades estaduais ou municipais, como o fechamento do comércio, para combater o novo coronavírus – medidas corretas que ele não teve coragem, nem capacidade de tomar enquanto chefe da nação.

Suas declarações estão longe de ser consideradas como fruto de sua desmedida ignorância, pois refletem o pensamento de quem nunca escondeu seu desprezo pelo povo e de que seu compromisso com o poder econômico e o grande empresariado está acima de tudo, até mesmo da vida da população que ele teria a obrigação de proteger.

Bolsonaro incitou, explicitamente, o genocídio da população, incentivando as pessoas que deixem a quarentena em pleno período previsto como o de maior risco de transmissão do vírus e retomem suas atividades. Deste modo, ele lança os brasileiros a própria sorte.

Diante de uma crise sanitária de proporções ainda desconhecida, talvez, a maior do século, o mínimo que se esperava do presidente da República é que em seu pronunciamento apresentasse, de fato, propostas concretas para o enfretamento da situação. Mas ele preferiu usar a prerrogativa do cargo que ocupa para demonstrar força numa disputa política da qual já perdeu, nitidamente, o controle.

O fato dele não apresentar qualquer política pública não nos surpreende. O que nos deixa extremamente preocupados é esse comportamento nocivo, movido pelo ódio, que ameaça a saúde pública (SUS) e a vida de milhões de brasileiros, em especial dos idosos e das pessoas que integram os grupos de risco.

Bolsonaro se mostra, a cada dia, mais letal do que o coronavírus! Mas a CUT-SP seguirá lutando, junto aos seus sindicatos, ramos e aos movimentos sociais, em defesa dos direitos dos trabalhadores e do povo, que precisam ter garantia de emprego e renda nesse período de pandemia.

Se você não atua nos setores essenciais, tem o mínimo de respeito pelas pessoas e, principalmente, por sua família, inclua mais uma forma de se proteger do coronavírus: ignore Bolsonaro e #FiqueEmCasa! 

São Paulo, 25 de março de 2020. 

CUT-SP

Ilustração: Valter Gargalo - Portugal