Notícias

INSS corta 59% dos benefícios analisados do pente fino e chama mais 95 mil para cortes

Leia as orientações da Assessoria de Saúde e Previdência da Fetquim-CUT de como proceder caso você caia no pente-fino

MAIS UMA MALDADE DO BOLSONARO: INSS CORTA 59% DOS BENEFÍCIOS ANALISADOS DO PENTE FINO E CHAMA MAIS 95 MIL PARA CORTES.

 

Assessoria de Saúde e Previdência – Fetquim-CUT

Até o mês passado, das 50.191 avaliações feitas pelo INSS dos auxílios-doença, 29.639 foram encerrados, um percentual de 59% de corte. Segundo Airton Cano, Coordenador da Fetquim-CUT, “São pais e mães de famílias doentes, numa situação de desemprego de 13,7% da população, que não terão oportunidade de encontrar outro emprego e ficar sem poder subsistir e piorar o seu estado de saúde por falta de tratamento.”

Desde 27/09, o governo convocou mais 95 mil segurados para ligarem para o tel. 135, ou usar o aplicativo Meu INSS,  até dia 11 de novembro para agendar perícia, pois caso contrário terão  seus benefícios cancelados. Segundo a assessoria de Saúde e Previdência da Fetquim-CUT, a partir do BEP( Boletim Estatístico da Previdência), a retirada de todos esses benefícios significará deixar de dar assistência à 125 mil famílias dos segurados no valor de 2,6 bilhões durante um ano.

Para o Secretário Geral do sindicato dos Químicos do ABC, Paulo José dos Santos, o Paulão,  “É maldade pura do Governo Bolsonaro.  E frente a todo o tipo de corte de direitos quer da previdência, como do serviço público da PEC 32, não nos resta outra alternativa senão protestar e ir para a rua.  Enquanto o governo protege o Guedes e os grandes milionários com evasão de divisas em paraísos fiscais, o povo morre de Covid, de fome  e tem benefícios previdenciários cortados. A população tem de dar o troco nas urnas no ano que vem.”

André Alves, Secretário de Saúde da Fetquim, recorda que “O governo fez um corte grande de direitos na reforma da Previdência e continua cortando direitos dos segurados descaracterizando laudos médicos, e usando dos peritos para fazer cortes cruéis”.  “O papel do Ministério do Trabalho e Previdência do gov. Bolsonaro em vez de preservar direitos gera cada vez mais problemas e miséria, e deixando de lado os verdadeiros donos da previdência que tem contribuído durante anos.”   “Precisamos ter o impeachment desse governo que está gerando a fome, deixando de lado políticas sociais e não garantindo os direitos dos segurados que tem contribuído até agora.”

O que fazer frente ao chamado do INSS para perícia e não ter o benefício cortado?

Se for chamado pelo INSS ( por carta ou por notificação no caixa eletrônico do banco onde recebe benefício)  há dois caminhos para a marcação de perícia:

1. Meu INSS. Vá em Agendar Perícia, clicando em  “Agendar Novo”. Confira seu nome, e-mail e endereço e anexe todos os documentos que forem solicitados.

2. Pelo telefone 135. Pelo telefone poder ser agendada a perícia das 7 às 22 horas, e não esquecer de anotar a data e o horário agendado para a perícia.

Na hora e data  da perícia marcada,  o que fazer?

1. Leve um documento original ( RG, CNH ou CTPS)

2. Leve documentos médicos originais como exames, laudos, receitas para comprovar a doença e tratamento.

3. Se for procurador de doente que não puder comparecer leve procuração ou termo de representação legal.

Após o Resultado da Perícia o que acontece?

1. O Segurando poderá saber do resultado do exame após as 21 horas do mesmo dia da perícia através do Meu INSS ou pelo número de tel. 135.

2. Acessando o Meu INSS, o site informará se o pedido foi concedido ou indeferido.

3. Se ao acessar o Meu INSS não conseguir ver o resultado, o segurado deverá ligar para o número 135 e informar que precisa fazer um acerto pós-perícia. O funcionário orientará quais são as pendências que precisam ser solucionadas.

4. Se o segurado concordar com a  Alta médica, o segurado deverá comparecer ao RH de seu local de trabalho e o empregador é obrigado a receber o segurado, recordando que em caso de benefício acidentário, o segurado tem a estabilidade de um ano após a alta.

5. Discordando da alta médica, o segurado poderá apresentar um recurso tanto junto ao Meu Inss como junto ao telefone 135.

No caso de persistir a negativa do INSS, em caso de recurso, o segurado poderá entrar na justiça contra o INSS, com todos os documentos, atestados, laudos e exames médicos que tiver em mãos.

Fonte: Agora, INSS, BEPs

 

Compartilhar com:

Enviar:

Imprimir: