Notícias

Fetquim participa do 1º Encontro Nacional Mulheres, Negritude e Diversidade da Contac

Escrito por: Redação
15/09/2022 às 20h26

A secretária de Políticas Sociais da Fetquim, Amábile Cordeiro, diretora do Sindicato dos Químicos do ABC, participou do 1º Encontro Nacional “Mulheres, Negritude e Diversidade”, realizado pela Confederação Brasileira Democrática dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (Contac-CUT) e a União Internacional dos Trabalhadores da Alimentação (Uita), na cidade de Serafina Corrêa (RS), na última sexta e sábado.

A atividade ocorreu na Câmara Municipal do município. No encontro, os participantes discutiram a questão de gênero, raça e diversidade.

“Discutimos a realidade das mulheres negras, que são as mais atingidas na sociedade em termos de violência, desemprego, cuidado com doentes e idosos e trabalho informal”, explicou Amábile.

Mulher negra

Estudo da Fundação Getúlio Vargas, divulgado em julho de 2022, mostra que 43,3% das mulheres negras ocupam postos de trabalho informais, uma taxa superior à média nacional, que é de 40,1%. Na informalidade, essas mulheres ganham menos.

De outro lado, o encontro discutiu a realidade de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no mundo do trabalho, assim como no movimento sindical.

Para entender o tema, levantamento do Observatório de Mortes e Violências contra essa população, divulgado em maio de 2022, apresenta que pelo menos 316 pessoas LGBTQIA+ morreram no Brasil por causas violentas em 2021. Dessas mortes, 285 se referem a assassinatos.

O debate é mais do que atual, especialmente em um momento da história em que vemos a discriminação racial e a violência aumentarem contra a população LGBTQIA+. A situação piora ainda mais com os discursos do presidente da República, autoridade pública máxima no Brasil, mas que, infelizmente é racista, misógino e preconceituoso.

Os sindicatos e o movimento sindical como um todo precisam ampliar essas discussões no sentido de combater os preconceitos e as discriminações, buscar a garantia de direitos e construir uma sociedade mais justa, plural e democrática.

Fonte: Fetquim